Em foco

Angola recolhe indicadores sobre Ciência e Tecnologia

O Ministério do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia e Inovação vai abrir, dentro de três semanas, uma campanha de recolha de indicadores desses sectores - anunciou, em Luanda, a ministra Maria do Rosário Sambo

Data: 12.07.2018

Angola recolhe indicadores sobre Ciência e Tecnologia

A ministra, que discursava no seminário sobre indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação, fez saber que a campanha se destina à materialização dos objectivos da política nacional do sector no quadro do Programa de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022 e na Estratégia da SADC de Mediação da Ciência, Tecnologia e Inovação.


Maria do Rosário Sambo referiu que o Decreto Presidencial de 201/11 de 20 de Julho estabelece o apuramento dos indicadores de Ciência, Tecnologia e inovação como forma de assegurar o acompanhamento desta actividade pelo Executivo, tendo em atenção o investimento realizado, a produção científica, tecnológica e a integração dos resultados obtidos na sociedade.


Noutra parte do seu discurso, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação instou os actores e parceiros a produzir mais conteúdos científicos de modo a se atingir um porcento do PIB dedicado à ciência, ao contrário dos actuais 0,07, equivalente entre 12 a 14 milhões de dólares.


Sobre a recolha de dados, disse que os principais resultados estão relacionados com a despesa interna bruta em investigação e desenvolvimento, o número de investigadores científicos em instituições de ensino superior e de investigação e desenvolvimento, o tempo dedicado à investigação científica, bem como os resultados obtidos em forma de produção científica (artigos científicos e outros tipo de publicações indexadas em bases de dados internacionais) e produção tecnológica (patentes, protótipos, desenhos técnicos e novos produtos).


O seminário vai proporcionar habilidades aos participantes sobre produção de indicadores básicos em ciência, tecnologia e inovação, para publicação do relatório nacional sobre o assunto.


Fonte: ANGOP



Voltar