Em foco

Cloud, IoT e smartphones: as grandes preocupações do momento na área da cibersegurança

A crescente migração das empresas para a cloud, a disseminação da Internet das Coisas e o uso cada vez maior de dispositivos móveis fazem destas áreas as mais apetecíveis para “esquemas” e criminosos cibernéticos.

Data: 12.01.2018

Cloud, IoT e smartphones: as grandes preocupações do momento na área da cibersegurança

Cloud, Internet of Things (IoT) e Mobile estão entre as principais tendências tecnológicas e por isso percebe-se que também sejam apontadas como as maiores preocupações no que às questões de segurança diz respeito, uma ideia que a CheckPoint faz questão de reforçar.


As áreas da cloud e da IoT têm, inclusive, algumas perspetivas em comum, apontou Rui Duro, responsável pelo negócio da CheckPoint em Portugal num encontro, esta quinta-feira, com jornalistas.


“A cloud vai crescer sem dúvida, mas vão ser necessários alguns acertos para perceber bem em que sentido vai”, afirmou referindo-se à vertente da segurança. O mesmo acontece com a IoT.


Na opinião de Rui Duro, a implementação da Internet das Coisas vai ter duas fases: uma primeira fase em que os fabricantes, “para não ‘perderem o comboio’”, vão tentar lançar rapidamente versões dos dispositivos que têm com funcionalidades de IoT. Os problemas poderão surgir num segundo momento, “quando os nossos “amigos” [hackers] começarem a descobrir as vulnerabilidades e surgir a possibilidade de ataque”.


Nessa altura, os fabricantes de dispositivos terão de se auxiliar de parceiros como a CheckPoint para resolverem os problemas que surgirem. Mais para a frente, o responsável acredita que estas empresas estarão próprias a fazer a “securização” dos seus próprios problemas. Este é um cenário que vai acontecer tanto na cloud como na IoT, acredita Rui Duro.



Mobile entre as áreas prioritárias de negócio


Embora ainda existam oportunidades no negócio core, a CheckPoint tem olhado para outras áreas, e uma de maior aposta é o mobile. “O paradigma da segurança está a mudar. O ‘valor’ do smartphone não é a possibilidade de fazer ataques”, sublinhou Rui Duro, “o smartphone é valioso porque pode ser uma porta de entrada na empresa para a qual trabalha (…) e também porque tem informação sobre o que gostamos, o que compramos, e isto vale muito para as empresas que a seguir nos vão oferecer serviços e produtos”.




O responsável da CheckPoint considera que o maior ataque à nossa segurança, atualmente, é o phishing. “Os ataques a que temos assistido são uma consequência do phishing, que neste momento se dá desde em sites até ao SMS. O caso do Lidl é um ataque de phishing”.


Fonte: Sapo Tek




Voltar