O que é o CFA?

O Centro de Formação ARCTEL (CFA) foi criado na V Assembleia Geral da ARCTEL, realizada em Lisboa, em Abril de 2013. Parte integrante da organização da Associação, tem como objetivo a capacitação de todos os agentes do sector e a promoção do conhecimento na área das comunicações. Para a prossecução dos seus objetivos o CFA assume as seguintes atribuições:

  • Promoção de ações para a aproximação do mundo regulatório ao meio académico, universitário e empresarial;
  • Apoio e promoção da investigação em colaboração com universidades, outras instituições de ensino, Organizações Internacionais e Academias, através da celebração de protocolos, da atribuição de prémios e do apoio editorial a obras de carácter técnico e científico;
  • Criação de pólos de discussão e de reflexão sobre temas de interesse para o sector das comunicações, promovendo a partilha de conhecimentos e experiências;

Conscientes da importância e necessidade de manutenção sustentável de um projecto formativo e de capacitação para a comunidade de língua portuguesa; e não sendo a capacitação o principal escopo da ARCTEL, foi claro desde o início que, o CFA, deveria abrir o âmbito da sua atividade, procurando parceiros estratégicos, que pudessem auxiliar neste desígnio.

Desde logo porque a aprendizagem individual ao longo da vida é um conceito que tem vindo a ser desenvolvido desde os anos 70, sendo já adquiridas as noções de educação permanente e formação contínua, que visam melhorar conhecimentos, aptidões e competências individuais, preocupações de emprego e cidadania.

Por outro lado, a aprendizagem das organizações, na via da sociedade cognitiva, de melhoria constante e, no contexto do desenvolvimento de mercados internacionais, coloca às instâncias nacionais desafios de convergência e especialização, preocupações económicas e de cooperação.

A necessidade de formação avançada e académica nos órgãos reguladores sobrepõe-se a nível nacional, com as de agências similares como autoridades de concorrência ou mesmo administração pública, e, a nível internacional, no âmbito sectorial, preocupações de permanente capacitação regulatória;

Ao mesmo tempo, as necessidades paralelas da indústria, em que se assiste à superior aptidão dos grandes operadores em matéria de formação, apresentam desafios que vão do apoderamento universitário até à facilidade de recrutamento de quadros;